sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Intervalos - Lindo e tocante texto de Ana Claudia

Intervalos

Ana Claudia Leite Dantas Ferreira.



 

No ano 2000 comecei a me comportar como urso. Levei meu menino ferido para uma toca e ficamos ali, no breu, tratando dos ferimentos. Pouco tempo passou e tornei-me uma exímia ursa. Nos dias quentes, cegada pela luz do sol, ia à caça de alimento. Voltava com aquilo que alcançava e que já não saciava. Aos poucos, o inverno se estendia até não haver mais verão, nem sequer a luz do dia. Na toca, cada vez mais escura, havia um ralo calor de origem desconhecida. Eu me sabia ali com meu filho, e só isso. Um dia senti a força das mãos delicadas da minha filha e vi que o escasso calor se acrescia. Não punha mais o rosto para fora da toca, pois, lá, o inverno era intenso e o frio açoitava. Outro dia senti que ali haviam mais braços, eram poucos, mas fortes, e o calor acrescido começava a ser suficiente. Éramos cegos para o presente e para o futuro, mas os olhos fechados fez nascer a visão, que fugia por entre os poros da pele, iniciando uma luz rala no recinto. A luz somou-se ao calor que se aproximava do saudável. Das feridas do meu filho, algumas cicatrizavam, mas eram muitas aquelas em carne viva. O tempo longo era também um tempo muito curto. A vida aflita se estabelecia, a visão foi vista vindo da alma, e o calor, já se sabia, tinha origem no coração. A aflição aos poucos mudava de cor e deixava-se cobrir de calmaria. O amor se insinuava do riso. As pessoas que nos acresciam calor e luz eram poucas, porém enormes; e nada pediam em troca. Passaram-se dez anos e, quando já não havia mais feridas no corpo do meu amor, quando já nem se via cicatrizes, num dia de calmaria com luz boa e agradável calor, de súbito rompeu-se o vácuo, meu filho rasgou-se em lança, montou o seu unicórnio e foram. Em instantes, alados, explodiram as paredes terrestres e jogaram-se no sideral. De lá, despejaram-nos o dia, que se abriu em verão intenso e cintilante. Fez-se a música nos ouvidos. Era meu menino despedindo-se daquela gente boa e paciente que não deixou a sua luz apagar. E eu estava ali entre eles, cansada. Devagar e em silêncio, fui, só, em ré, para a mesma toca onde aprendera a morar. Ali fiquei. Já não fazia mais frio, já não fazia mais nada. Não era claro ou escuro. Era oco, e o silêncio absoluto gritava um doído agudo infinito que derrubava meu corpo ao relento... Jogada ali a esperar, esperar..., permaneci por bom tempo. Passaram-se quatro anos, desde aquela morte que não veio para me buscar. Aquela que levou de mim o meu filho, o meu ar. Foi quando vi minha menina, singela, ao meu lado, me segurando no braço, com a grande força de suas delicadas mãos. Linda foi essa visão que me fez voltar da caverna! Agradeço aos amigos que compareceram. Agradeço aos meus meninos, meus amores, é por eles que morro, é por eles que vivo e é deles o tecido da minha vida. Obrigada Pedro, obrigada Rita. (Ana Claudia, em Intervalos.)

 

 

Veja em sua página no Face Book mais excelentes textos desta autora:

https://www.facebook.com/adantasf/about?section=overview

 

Clique no assunto para acessar as respectivas postagens:

administração pública (1) amizade (1) Anabela Gradim (1) Ano Novo (1) António Fidalgo (1) Apresentação (1) Aquecimento Global (1) argonautas (1) Arnaldo Jabor (1) ateísmo (1) ateísmo militante (1) autossuficiência (1) AVAAZ (1) bancos (1) boto (1) Brahms (1) Brasil (3) Bunker Roy (1) Carl Sagan (1) carro elétrico (1) Chico Buarque (1) China (1) cidadania (1) Ciências (5) Claudio Villas Boas (1) comunismo (1) Congresso (1) consumo de energia (1) crianças (1) crônica (3) cultura (1) Decreto 8.243 (1) Delfos (1) Descobrimentos (1) desenho (1) Dia Novo (1) Ditadura (1) DNA (1) Dori Caymmi (1) E não houve tempestade em Tóquio (2) efeito borboleta (1) eleições (2) eletricidade (1) eletromagnetismo (1) energia (1) entanglement (1) entrevista (1) Equador (1) Erick Vizolli (1) Estados Unidos (1) Feichas Martins (1) Fernando Pessoa (2) filhos (1) Filosofia (1) folclore (1) Frank Sinatra (1) Fritjof Kapra (1) Física (4) Física Quântica (1) Guarujá (2) Harlan Coben (1) Hedy Lamarr (1) hidrogênio (1) hiperespaço (1) História (3) Jasão (1) José Nêumanne Pinto (1) Joyce (1) João Villaret (1) Judaismo (1) Kindle (1) Kobo (1) Leituras e Anotações (10) lenda (1) literatura (5) Livraria Cultura (1) livro (2) Lula (1) lógica (1) Maeve Blinchy (1) manifestações (1) manipulações (1) matemática (1) memória (1) memórias (2) Metrô de São Paulo (1) Michio Kaku (2) Miguel Sousa Tavares (1) mitos (1) motor (1) Movimento Pés Descalços (1) Mônica Martins (1) Música (2) Natal (1) natureza (1) Navegação (1) neurônios (1) Newton da Costa (1) Nick Bostrom (1) Nova York (1) origem da vida (1) Orlando Villas Boas (1) Paixão (1) Paris (1) Penélope (1) petição (2) petróleo (1) Pitangueiras (2) Pitkanen (1) poesia (17) povos indígenas (2) praia (1) Provocações e Desafios (9) Recife (1) Reminiscëncias (4) Richard Dawkins (1) Robert Paster (2) Roger Penrose (1) romance (1) Russia (1) safari (1) Segunda Guerra Mundial (1) semiótica (1) soberania (1) social-democracia (1) sociedade civil (1) Stephen Hawking (1) Sundries (27) Tabacaria (1) tecnologia (1) Telêmaco (1) Teoria Antrópica (1) teorias (1) teorias da conspiração (1) TGD (1) The God Delusion (1) tradição (1) Ugo Volli (1) Umberto Eco (1) Universidade Barefoot (1) utopia (1) Velocino de Ouro (1) viagem (1) vida (1) Você sabia? (3) voto (2) voto nulo (2) Was the universe made for us? (1) Índia (1)