sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Pra Quê?

Meu novo livro "Pra Quê?" já está publicado em versão digital pela Amazon.

Leia abaixo o prefácio de Letícia Martins, jornalista e autora do site www.primeirasimpressoes.net:

Você provavelmente já ouviu essa famosa expressão que nomeia uma série de crônicas de Nelson Rodrigues. Pois ela bem que poderia resumir esta obra de Flavio Musa de Freitas Guimarães. Entrelaçando fatos e emoções, Flavio nos leva a conhecer pessoas simples, como Francisco, Ivana, Gustavo, Talita, Padre Jacinto, Morena, Severino, Álvaro... Personagens de uma narrativa repleta de hábitos e costumes brasileiros. Cada um deles, a seu modo e trejeitos, nos revela um pouquinho de nós mesmos, posto que somos todos feitos de sonhos e esperança – assim acredito! 
O sonho de que amanhã será um dia melhor, a esperança de que a felicidade nos venha ao encontro. Além de sonhar e esperar, esses personagens – pessoas, ora essa! – vão vivendo, trabalhando, casando, amando-se. 
Há aqueles que se juntam para depois se separar, quando o amor não consegue superar a cor idêntica da rotina... 
E há aqueles que se encontram na música, porém se perdem nos braços da solidão. Como Francisco, o saxofonista tímido, sem sorte no amor, que arranca suspiro da plateia e vive mergulhado no próprio interior. De nós, pacatos leitores, ele consegue piedade, simpatia, compaixão. Tem ar de bom moço, que merece vencer na vida, embora não pareça ter gana para vencê-la. Por que será que ele é assim? Ou melhor, é assim pra quê? 
Francisco também não sabe o motivo, mas segue a vida, como cada um dos personagens, que, em dado momento, se encontram. Suas vidas se cruzam, suas histórias se entrelaçam, se completam, se misturam. E nesse balé de idas e vindas, aventuras e desventuras, amores e dissabores, o enredo criado por Flavio nos prende a atenção, nos prega os olhos, nos faz querer saber: pra quê? 
Dono de um texto enxuto, mas repleto de conteúdo, poesia (porque a vida é cheia dela, basta observar) e de expressões peculiares, o autor vai costurando uma narrativa que, apesar de falar da rotina de mulheres e homens comuns, acaba por nos surpreender. Quem ia esperar, por exemplo, que Gustavo, trabalhador como só, todo atencioso com a esposa, adorável com as filhas gêmeas, fosse fazer o que fez todo aquele tempo? E pra quê? Nem Francisco, tampouco Ivana ou Talita poderiam imaginar. Gustavo escolheu um caminho, e se fez do jeito certo, se se arrependeu, talvez não caiba ao leitor julgar, mas que vale a reflexão, isso vale! Do início até o último ponto, até o estouro final – se me autoriza a dizer! – vale não só a reflexão, como também a perplexidade e o espanto: pra quê? 
Cada personagem, repito, que Flavio eterniza neste livro é gente como a gente, que não acumula apenas sonhos, alegrias e vitórias. Eles batalham pelo ganha-pão, pelo futuro, em busca do amor. Na peleja do dia a dia sem ter certeza de quê, sem saber ao certo pra quê, vão seguindo – afinal, a vida é como é. 



O livro adquirido através do site da Amazon - basta clicar na capa, acima - pode ser acessado e lido a partir de qualquer smartphone, tablet ou computador, além do Kindle, aparelho de leitura da Amazon.


Abraço,


FMFG


Clique no assunto para acessar as respectivas postagens:

administração pública (1) amizade (1) Anabela Gradim (1) Ano Novo (1) António Fidalgo (1) Apresentação (1) Aquecimento Global (1) argonautas (1) Arnaldo Jabor (1) ateísmo (1) ateísmo militante (1) autossuficiência (1) AVAAZ (1) bancos (1) boto (1) Brahms (1) Brasil (3) Bunker Roy (1) Carl Sagan (1) carro elétrico (1) Chico Buarque (1) China (1) cidadania (1) Ciências (5) Claudio Villas Boas (1) comunismo (1) Congresso (1) consumo de energia (1) Contos (1) crianças (1) crônica (3) cultura (1) Decreto 8.243 (1) Delfos (1) Descobrimentos (1) desenho (1) Dia Novo (1) Ditadura (1) DNA (1) Dori Caymmi (1) E não houve tempestade em Tóquio (2) efeito borboleta (1) eleições (2) eletricidade (1) eletromagnetismo (1) energia (1) entanglement (1) entrevista (1) Equador (1) Erick Vizolli (1) Estados Unidos (1) Feichas Martins (1) Fernando Pessoa (2) filhos (1) Filosofia (1) folclore (1) Frank Sinatra (1) Fritjof Kapra (1) Física (4) Física Quântica (1) Guarujá (2) Harlan Coben (1) Hedy Lamarr (1) hidrogênio (1) hiperespaço (1) História (3) Jasão (1) José Nêumanne Pinto (1) Joyce (1) João Villaret (1) Judaismo (1) Kindle (2) Kobo (1) Leituras e Anotações (11) lenda (1) Letícia Martins (1) literatura (6) Livraria Cultura (1) livro (3) Lula (1) lógica (1) Maeve Blinchy (1) manifestações (1) manipulações (1) matemática (1) memória (1) memórias (2) Metrô de São Paulo (1) Michio Kaku (2) Miguel Sousa Tavares (1) mitos (1) motor (1) Movimento Pés Descalços (1) Mônica Martins (1) Música (2) Natal (1) natureza (1) Navegação (1) neurônios (1) Newton da Costa (1) Nick Bostrom (1) Nova York (1) origem da vida (1) Orlando Villas Boas (1) Paixão (1) Paris (1) Penélope (1) petição (2) petróleo (1) Pitangueiras (2) Pitkanen (1) poesia (17) povos indígenas (2) Pra Quê? (1) praia (1) Provocações e Desafios (9) Recife (1) Reminiscëncias (4) Richard Dawkins (1) Robert Paster (2) Roger Penrose (1) romance (1) Russia (1) safari (1) Segunda Guerra Mundial (1) semiótica (1) soberania (1) social-democracia (1) sociedade civil (1) Stephen Hawking (1) Sundries (27) Tabacaria (1) tecnologia (1) Telêmaco (1) Teoria Antrópica (1) teorias (1) teorias da conspiração (1) TGD (1) The God Delusion (1) tradição (1) Ugo Volli (1) Umberto Eco (1) Universidade Barefoot (1) utopia (1) Velocino de Ouro (1) viagem (1) vida (1) Você sabia? (3) voto (2) voto nulo (2) Was the universe made for us? (1) Índia (1)